O método MOSA Learning

A eficácia do método de aprendizagem MosaLingua é baseado em vários conceitos da ciência cognitiva e da psicologia:

Você vai perceber que, apesar de alguns nomes complicados, os princípios são simples de compreender. Você vai compreender de onde vem a eficácia do MosaLingua e a razão pela qual esse aplicativo se diferencia dos demais métodos. Aliás, nós já ajudamos mais de 500.000 pessoas em seu processo de aprendizagem.

O sistema de repetição espaçada (spaced repetition system)^

Todo mundo sabe que, quanto mais repetimos um conceito, maior a chance de lembrarmos dele mais tarde. Por outro lado, poucas pessoas sabem qual a melhor maneira de realizar essas repetições. A pior maneira de aprender é repetir a mesma palavra 10 vezes antes de um teste, pois esquecemos dela dias depois.

Para inserir em nossa memória de longo prazo uma informação, é preciso dar um intervalo de tempo entre as revisões, seguindo um plano que se adeque a cada indivíduo e a cada um dos conceitos que devem ser memorizados. Por exemplo: num primeiro momento, reveja a informação 5 minutos depois de aprendê-la, logo após, 7 horas depois, em seguida, 3 dias depois, então 10 dias depois, 1 mês depois e assim por diante, até que a informação seja inserida na memória de longo prazo. Esse plano é calculado a partir da curva de esquecimento, que permite a você revisar um conceito antes de esquecê-lo, espaçando, pouco a pouco, as revisões (ref. Bahrick & Phelps).

Courbe SRS

A curva SRS: Note que, a cada revisão espaçada, o esquecimento torna-se menos frequente

MosaLingua utiliza uma versão levemente modificada do algoritmo proveniente das pesquisas de Piotr Wozniak. Se você quiser saber um pouco mais sobre isso, leia nosso artigo o Sistema de Repetição Espaçada do MosaLingua.

A revisão ativa (active recall)^

o-metodo-mosa-learning-aplicativos-para-aprender-ingles-espanhol-frances-italiano-alemao--mosalingua

 

As questões de múltipla escolha e outros sistemas de aprendizagem que demandam simplesmente o reconhecimento da resposta correta dentre várias outras respostas não são eficazes para a memorização.

Conhecer algo de fato é ser capaz de identificá-lo facilmente através de sua memória, sem ajuda ou índice. Tal preceito é também verdadeiro quando falamos de aprendizagem de idiomas.

MosaLingua utiliza um sistema de flashcards que exige mais esforço, mas que é muito mais eficaz.
Além disso, o fato de extrair, com regularidade, uma informação de sua memória, reforça a memorização (ref. Pashler et al, 2007). Ou seja, o caminho, na rede de neurônios, que permite acessar uma informação torna-se cada vez mais rápido e confiável.

E não é só isso: responder a uma pergunta, tirando a resposta do fundo de sua memória, tentando enunciá-la adequadamente e, em seguida, virando a carta para verificar a resposta correta é, além de eficaz, surpreendentemente divertido. Por isso, milhões de pessoas utilizam flashcards em sua aprendizagem.

A metacognição^

O simples fato de pensar em uma resposta e, depois, revelá-la, seria incompleto sem o terceiro e mais importante componente desse sistema de aprendizagem: a metacognição. Esse componente consiste em refletir sobre seus próprios pensamentos. Antes de revelar a resposta, MosaLingua solicita uma avaliação de sua memorização (numa escola de 1 a 4). Pesquisas demonstraram que o ato de avaliar sua própria aprendizagem permite reforçar a memória de modo altamente eficaz (ref. autoavaliação, Sadler, 2006).

O Princípio de Pareto^

paretoO Princípio de Pareto diz que 80% dos efeitos são oriundos de 20% das causas. Tal princípio se aplica a um número variado de domínios, sendo também aplicável para as línguas:
Você sabia que as 100 palavras mais comuns representam metade da escrita (comprovado para o inglês).
Obviamente, não basta aprender 100 palavras; mas ao focar nas palavras mais utilizadas, o progresso pode ser espetacular. Além disso, o “globish” mostrou que é possível exprimir-se usando apenas 1500 palavras bem selecionadas (possíveis de aprender em menos de 3 meses, estudando por apenas 10 minutos ao dia através do MosaLingua). Assim que tais fundamentos são assimilados, MosaLingua propõe a você completar o vocabulário com palavras especializadas, de acordo com suas necessidades (mais de 3000 palavras no aplicativo).
Para assuntos gramaticais, o mesmo princípio é utilizado. MosaLingua introduz, pouco a pouco, frases com estruturas simples, que servem para a maioria das situações (os modelos de frases: sempre os 20% que servem para 80% dos casos). Ao memorizar essas frases, nosso cérebro extrai modelos, a fim de adaptá-los a outras situações. Assim, para começar a se exprimir, não é preciso saber todas as regras gramaticais e suas exceções. Ao contrário, começar a aprendizagem pela gramática pode tornar a aprendizagem mais lenta e a fala menos fluida (não temos tempo de pensar em regras gramaticais quando estamos falando).

Quando somos estimulados a utilizar o que aprendemos, a memorização torna-se muito mais fácil. MosaLingua nunca vai ensinar a você frases inúteis (ex.: Meu alfaiate é rico), mas vai sugerir palavras e frases em função do seu nível de conhecimento, da lista de palavras mais frequentes e de suas necessidades específicas. De um jeito ou de outro, você vai controlar sua aprendizagem, tendo sempre a opção de ignorar uma palavra ou um exercício, caso ache que não é algo necessário no momento.

A motivação e a psicologia da aprendizagem^

elearning cerveaux neurones A aprendizagem de um idioma é uma experiência formidável, mas exige um verdadeiro esforço e uma variedade de mudanças em nossa maneira de pensar e em nosso funcionamento cerebral.

Cientistas demonstraram, por exemplo, que pessoas que sabiam 2 línguas, pelo menos, tinham eletroencefalograma diferente das outras (ref. Klein et alii, 2013). Eles demonstraram também que o conhecimento de línguas foi responsável por retardar a doença de Alzheimer (ref. Alladi et alii, 2013).

Sabe-se que a causa número 1 do fracasso na aprendizagem de uma língua é o abandono, devido à má gestão da motivação (que varia no tempo). Mas existe métodos altamente eficazes para superar os momentos de desmotivação e transformar algo trabalhoso em um hábito agradável. É importante também salientar que muitas pessoas têm, mesmo sem saber, alguns bloqueios com relação às línguas estrangeiras (geralmente, criados durante a vida escolar), de modo que é também necessário livrar-se de numerosas ideias equivocadas sobre a aprendizagem de idiomas.

Todas essas mudanças não podem ser feitas em um dia e necessitam de um acompanhamento durante todo o processo de aprendizagem. Sabemos que cada indivíduo é diferente e, por conta disso, as maneiras de aprender também são.

Nossa equipe é, de fato, composta por muitos professores experientes, e todos nós aprendemos entre 2 e 6 línguas sozinhos (via autoaprendizagem). Oferecemos um suporte gratuito por e-mail, apresentando os melhores recursos da internet, bem como oferecendo conselhos via bônus ou por meio da comunidade de aprendizes, através do blog do MosaLingua. Na verdade, vamos oferecer todas as ferramentas necessárias para que você crie seu próprio método de aprendizagem, adaptando o método a suas necessidades.

O método MOSA Learning ®^

A combinação desses 6 conceitos forma o método MOSA Learning (Motivating Optimized System for Adaptive Learning), criado para o MosaLingua. Em constante evolução, esforçamo-nos para aplicar as últimas descobertas em termos de pesquisa em nosso aplicativo, com o intuito de criar um método ultraeficaz e de avançada tecnologia, assegurando facilidade na sua utilização.

Referências/Fontes::^

  • Bahrick, H. P.; Phelps, E. (1987).
    Retention of Spanish vocabulary over 8 years. Journal of Experimental Psychology: Learning, Memory, and Cognition.

 

  • Pashler, H.; Bain, P.; Bottge, B.; Graesser, A.; Koedinger, K.; McDaniel, M.; Metcalfe, J. (2007).
    Organizing instruction and study to improve student learning. Institute for Educational Sciences, U.S. Department of Education

 

  • Sadler, P. (2006).
    The impact of self- and peer-grading on student learning. Educational Assessment,

 

  • Denise Klein; Kelvin Mok; Jen-Kai Chen; Kate E. Watkins. (2013)
    Age of language learning shapes brain structure: A cortical thickness study of bilingual and monolingual individuals. Brain and Language

 

  • S. Alladi, et alii. Nov. 6, 2013
    Bilingualism delays age at onset of dementia, independent of education and immigration status. Neurology

Image by: Patrick Hoesly